Home  /  Famílias Generativas   /  A parentalidade que incorpora a mala do Sport Billy
Mulher com criança ao colo

Lembras-te da mala do Sport Billy, onde cabia um autêntico mundo de infinitas possibilidades?! Gosto muito desta metáfora para descrever a vivência da parentalidade generativa (generative parenting®).

Mas vamos por partes. É interessante ganhar consciência e perceber como tendemos a esquecer-nos de confiar em nós próprios quando se trata de algo novo e desconhecido. Talvez reconheças o sentimento quando soubeste que estavas grávida, quando acolheste no colo o teu bebé ou só quando amamentaste pela primeira vez… Perceber como fomos programados a confiar nos outros, no que nos dizem e no que é o normal fazer-se ou esperam de nós e não confiamos facilmente naquilo que sentimos, no que a nossa intuição nos diz, tantas vezes às custas de dores no corpo, na nossa mente somática.

Só que se há condição para SER mãe ou SER pai, é mesmo essa: seguir a nossa intuição, o nosso coração, fazer o alinhamento entre mente cardíaca e mente lógica, criando coerência e harmonia. Como nos ensina a parentalidade generativa, não há crianças, nem famílias iguais, pelo que não há fórmulas mágicas ou universais! Há sim, a nossa intuição, o nosso coração que nos mostra o caminho, e há também a nossa curiosidade, juntos, guiam-nos num olhar para as situações desde outras perspetivas e a questionarmo-nos. É só disto que precisamos na parentalidade! E onde é que encontramos estes preciosos recursos? Dentro de nós, pois claro!

Há algumas práticas que incorporei em mim, no meu dia-a-dia, na dinâmica da minha família, na criação de relações saudáveis e por isso, tenho sempre comigo, porque me trazerem de volta a mim e à vivência da parentalidade generativa, sobretudo em momentos mais desafiantes:

  • Parar e respirar, para voltar a um estado onde consigo aceder aos meus recursos;
  • Não criar expectativas, as coisas são o que são, e muitas vezes não são o que queremos ou esperamos. A maneira como lidamos com elas é que faz a diferença;
  • Saber que a criança não é o seu comportamento, investigar e voltar a ver a criança por quem ela realmente é;
  • Conectar-me comigo e com a criança, para me respeitar a mim e a ela, entender o que está por trás do seu comportamento e agir a partir do coração, desde um lugar de infinitas possibilidades;
  • Prática da igual dignidade, para encontrarmos, juntos, estratégia e soluções ecológicas que satisfaçam as necessidades de ambos. A criança sente-se vista, reconhecida e coopera na resolução da situação;
  • Confiar em mim, no processo e na criança, os nossos filhos, ‘gurus de palmo e meio https://www.wook.pt/livro/gurus-de-palmo-e-meio-rita-aleluia/23564193’. Muitas vezes, o facto de apenas confiar e não fazer mais nada não só resolve, como evita muitas situações desafiantes;
  • Saber que está tudo bem, afinal, fazemos sempre o melhor que sabemos e podemos a cada momento, mesmo quando as coisas não correm como gostaríamos. É que também isso faz parte deste processo de aprendizagem, mostrando-nos o que não estava a funcionar, abrindo as portas para muitas outras possibilidades e agora, novas escolhas. Para que se crie, finalmente, algo novo, que nunca antes aconteceu, algo verdadeiramente generativo!

Convido-te a experimentares, com generosidade, sem forçar. Talvez possas introduzir semanalmente uma prática. Eu e a Aldeia Generativa estamos aqui, muito curiosos para escutar o que passou a ser possível na tua vida e da tua família!

Engenheira como formação de base, foi como mãe que sentiu o seu maior desafio. No seu percurso profissional, teve contacto direto com várias culturas que lhe mostraram que existem diferentes maneiras de ser, estar e educar, não sendo nenhuma certa ou errada, apenas diferentes. Assim, e não se enquadrando no modelo de uma educação tradicional, sentiu a necessidade de encontrar um modo de educar diferente, e adequado à sua família. Foi então que começou o seu percurso na área da parentalidade, sendo hoje PNL Pratitioner em Parentalidade Generativa pela University California & Rita Aleluia e Consultora em Parentalidade Generativa.

Sem comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO