“O próximo Buda pode assumir a forma de uma comunidade, uma comunidade que pratica compreensão, bondade e amor, uma comunidade que pratica uma vida consciente. E a prática pode ser realizada como um grupo, como uma cidade, como uma nação.”

“Shakyamuni previu que o próximo Buda seria Maitreya, o Buda do amor. É possível que o próximo Buda não tome a forma de um indivíduo. O próximo Buda pode assumir a forma de uma comunidade, uma comunidade que pratica compreensão, bondade e amor, uma comunidade que pratica uma vida consciente. E a prática pode ser realizada como um grupo, como uma cidade, como uma nação.”

Thich Nhat Hanh, “The Next Buddha May Be A Sangha”, in Inquiring Mind

A Parentalidade Generativa assume-se como uma revolução silenciosa, pessoa a pessoa, família a família, comunidade a comunidade…

Sabemos que quando cada um acede à sua força vital, em consciência, é exemplo de inteireza para os que a rodeiam. Vive mais consciente e mais forte, tendo um impacto positivo na sua família, esta por sua vez na comunidade, no país, no continente… O mundo torna-se infinitamente mais saudável.

A PG pratica a holonarquia. Somos natureza, sabemos um organismo está tanto melhor quanto melhor estiverem os seus órgãos. Um órgão está tanto melhor quanto melhor estiverem as suas células… Ou seja, é impossível que um, não tenha impacto no todo. Todos somos importantes, todos temos algo único a contribuir para co-criar uma humanidade mais consciente.

É por isso que criamos a Aldeia. As mudanças de paradigma, exigem a partipação colectiva. Além de conectarmos famílias, contruímos relacionamentos saudáveis, ao longo desta jornada, edificando uma comunidade global de famílias generativas. Com base na congruência, igual dignidade, responsabilidade, inclusão e autenticidade. Um espaço de encontro, hospitalidade, com a presença de cartógrafos e testemunhas do coração humano, que é uma oportunidade para melhorar a vida e as relações de todos. Um lugar de diálogo, vulnerabilidade e coragem. De individualidade e compromisso social, compaixão e espiritualidade. De apoio, amor e esperança. Onde todos são convidados a participar, partilhando as suas experiências, estratégias, não apenas para descobrir, e sim, para ser a aldeia.

Não há soluções, há caminhos. Bem-vindos!

É preciso uma aldeia inteira para educar uma criança
Provérbio Africano